abertura bienal de artes de Coruche

Bienal de Coruche – Percursos com Arte 2017
De 30 de setembro a 15 de outubro

 A aposta desta edição da Bienal que acontece na vila de Coruche desde 2003 centra-se uma vez mais na Arte Urbana. Desta feita, o evento que promove um concurso nacional de instalações artísticas estabeleceu uma relação direta com a zona ribeirinha e com o rio Sorraia, definindo um percurso que lhes vai dar espaço durante os primeiros quinze dias de outubro.

A apreciação das obras pelo júri atribuiu, no passado sábado 30 de setembro, a distinção “Bienal de Coruche – Percursos com Arte” à obra Cubic #71027082 do artista Thierry Ferreira, prémio que se materializou na entrega de um diploma e de um subsídio ao desenvolvimento artístico no valor de 4 000 euros. Foram ainda atribuídas duas menções honrosas às obras O pescador de João Maria Ferreira e Da força de ti do Atelier Ancar.

O júri foi constituído por cinco elementos: Cláudia Camacho, curadora, Alberto Simões de Almeida e Luís Paulo Costa, artistas plásticos, Luís Marques, coordenador geral da Bienal e Francisco Silvestre de Oliveira, presidente da Câmara Municipal de Coruche.

A Bienal de Coruche não se esgota nas dez instalações artísticas a concurso. As Envolvências Locais, projeto desenvolvido com a comunidade local desde a edição de 2013, apresentou a intervenção “Entre Pontes”. Cerca de quatrocentas peças em forma de peixe, desenvolvidas e enquadradas em onze temáticas associadas à identidade coruchense e quinhentos e quarenta metros quadrados de rede de pesca dão corpo e cor a esta intervenção coletiva que juntou cerca de oito centenas de colaboradores e vinte e oito instituições.

As Envolvências Locais prepararam também diversos espaços de exposições coletivas (num total de cinco) de pintura, escultura e instalação assim como apresenta  diversas instalações individuais.  A fotografia faz parte também deste percurso, com 35 fotógrafos entre amadores e profissionais a fotografar sob o tema “Olhar, ver e reparar no rio Sorraia”.

A programação paralela é ambiciosa q.b. com muitos e bons motivos para conhecer novas abordagens artísticas

Corutos”

O artista plástico escalabitano, Camilo, está desde o dia  partir de 28 de setembro a desenvolver uma pintura mural (arte urbana) numa fachada do Centro de Exposições de Coruche. “Coruche  historicamente deriva de Coruto, o ponto mais alto. O que pretendi foi representar essa ideia com alguns elementos que fazem parte do contexto de Coruche: a cortiça, as cheias, o cavalo Lusitano e a herança histórica.”

 

Um punhado de gente de Coruche”

Projeto da autoria de Ester Monteiro, artista plástica do Porto que abre portas a uma nova forma de intervenção nos espaços urbanizados com a interação direta com o público. A decorrer entre 25 de setembro e 6 de outubro, data de inauguração da instalação no momento também da inauguração da 33ª edição da Feira do Livro de Coruche

 

Retrospetiva

Uma exposição que retrata todas as obras premiadas desde 2003, data do I Salão de Artes Plásticas de Coruche, assim como dos elementos que mais se destacaram no Projeto Envolvências Locais 2013/2015. Uma mostra patente na sala de exposições temporárias e pátio do Museu Municipal.

 

Instalações de alunos da Escola Superior de Educação de Lisboa (licenciatura em Artes Visuais e Tecnologias) – Durante o ano letivo transato foram realizados diversos projetos tendo como enquadramento o trajeto urbano da Bienal de Coruche – Percursos com Arte tendo e partindo de três premissas principais: paisagística, identitária e estética, no âmbito de um protocolo estabelecido em 2015 entre esta entidade e a Câmara Municipal de Coruche. Nesta Bienal estarão expostas três instalações site specific criadas por três grupos destes alunos.

 

No dia 5 de Outubro, feriado nacional, os percursos com arte passam também pelo Mercado Municipal de Coruche, ele próprio reinventado no Mercado das Artes. A par dos comerciantes habituais estarão presentes artesãos, artistas, escolas convidadas, envolvidos em  momentos de degustação e gastronomia onde os pratos são confecionados com os produtos locais escolhidos nas bancas do mercado.

 

Ainda, no dia 5 de outubro, o realizador e fotógrafo Ricardo Guerreiro apresentará uma palestra sobre fotografia com o tema “Selvagem ou doméstico” no Auditório do Museu Municipal de Coruche, pelas 18h30.

inauguração Bienal de coruche

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *