AFS vai continuar a apoiar os clubes nesta época desportiva 2021-2022 com ajudas extraordinárias para fazerem face aos constrangimentos causados pelo Covid-19

É preciso continuar a apoiar os clubes nesta época desportiva 2021-2022 com ajudas extraordinárias para fazerem face aos constrangimentos causados pelo Covid-19. Foi o que garantiu o presidente da direção da AFS, Francisco Jerónimo, em mais uma edição do Encontro – Futebol Distrital em Debate que decorreu no sábado, 18 de setembro. Uma reunião que marcou o arrancou da época 2021-2022 e que contou com a presença de Rui Manhoso, da direção da Federação Portuguesa de Futebol e Jorge Maia, presidente do Conselho de Arbitragem da AFS.

Segundo Francisco Jerónimo, é por isso que a Associação de Futebol de Santarém já elencou um conjunto de medidas de apoio na redução de custos para os clubes no pagamento das cotas de filiação, inscrição, transferência e emissão de cartões de jogadores, inscrição nas provas, taxas de jogo, material desportivo e prémios de seguro dos atletas de formação, orçados em cerca de 65 mil euros.

Durante o encontro, o presidente da direção da AFS aproveitou ainda para enaltecer o trabalho desenvolvido por Rui Manhoso na FPF e adiantar que 63% dos clubes filiados na Associação, submeteram a sua candidatura ao programa Reativar Desporto, colocando Santarém em segundo lugar no ranking nacional. “Mais uma vez felicito os clubes que continuam a mostrar muita resistência, força e vontade em vencer esta batalha que nos tem afetado a todos”, afirmou.

Em relação a este programa do IPDJ, também Rui Manhoso destacou a sua importância, relembrando que os clubes devem aproveitar futuramente todas as oportunidades no futebol, quer da FPF, quer das Associações ou do Estado. “Não podem dizer que isto não é para mim. Não, este dinheiro é para os clubes e, para isso, têm de recorrer”, refere.

Rui Manhoso adiantou ainda que os números de atletas jovens inscritos nesta época já superou os das épocas anteriores e que a FPF está a apoiar as Associações para ajudar os clubes. “Estamos neste momento a dar condições às Associações para sobreviverem a catástrofes como esta que vivemos, para que os campeonatos jovens tenham interesse, o futsal desenvolva-se mais, o futebol feminino tenha uma grande expressão a nível nacional”, concluiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *