Em 2021, o evento Cortes e Lendas Santarém Medieval regressa ao Convento de S. Francisco, num modelo necessariamente adequado aos tempos pandémicos que vivemos. Sob o lema “História Real Santarém Virtual”, entenderam a Viver Santarém e o Município de Santarém, transformar a história em evento, focando as várias vertentes que têm sido trabalhadas nos últimos anos em debates, teatro, animação e recriação.

            João Teixeira Leite, Presidente da Viver Santarém, enaltece a dinâmica do evento apelando à participação da comunidade em geral, “vamos homenagear a histórica e valorizar a importância do nosso património”.  

           Ao mesmo tempo, esta edição das Cortes e Lendas está associada ao programa de comemorações dos 40 anos do Festival Nacional de Gastronomia. Desse modo, o primeiro tema a debate, com alguns dos principais especialistas do setor, foca-se precisamente na alimentação na Idade Média. Que tipo de gastronomia existia? Não nos ficamos pela conversa entre os Gastrónomos Fátima Moura, Armando Ferrnandes e o Arqueólogo António Matiais, numa sessão cheia de surpresa, o chef Gonçalo Costa, fará sugestões para uma verdadeira ementa do século XV, com recurso a um forno de lanha a confeção será em simultâneo.

            O teatro de inspiração histórica tem estado sempre presente e numa vertente que explora o humor e a comédia vamos dar a conhecer “As Cortes de 1402 em 2021”, seguidas da “Lenda do Milagre: Sim ou Não?” pelo Centro Dramático Bernardo Santareno, bem como apontamentos dos Human’art. Durante todo evento a animação musical estará a cargo dos Gaitas Sirigaitas e dos Finis Terrae, grupos já conhecidos de edições anteriores. 

            Um novo capítulo convoca para debate a própria importância das Cortes e dos eventos de recriação histórica com a participação do historiador Gustavo Pacheco Pimentel (Associação Estudo e Defesa do Património Histórico Culural do Concelho de Santarém); do professor, ator e encenador José Manuel Rodrigues (Centro Dramático Bernardo Santareno); e do professor e recriador histórico Mário da Costa (Vivarte). Os caminhos da recriação e a sua importancia como alavanca de desenvolvimento, serão motivos para a conversa.

            No útimo capítulo, arqueologia e artesanato são postos em diálogo com as participações dos arqueólogos António Matias e Helena Santos e dos artesões Jorge Gonçalves, Manuel Ferreira e Natália Pinheiro, refletindo sobre a “Cultura material medieval e o artesanato moderno”. 

            Com um modelo de sucesso já experimentado anteriormente, esta edição à distância das Cortes e Lendas de Santarém, propõe a realização do Mercado Medieval on-line. Entre 30 de abril e 30 de maio, nesta plataforma, pode encontrar artesanato, produtos regionais, serviços de animação alusivos a temática da Idade Média, e mercadejar à distância de uns cliques.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *