FESTA DO VINHO PROMOVE IDENTIDADE DO CARTAXO
• Desfile etnográfico Da Uva ao Vinho abre a Festa e leva centenas de crianças e seniores ao centro da cidade
• Inauguração da Festa conta com a presença de João Cavaleiro Ferreira da Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo
• Presidente da Câmara destaca lugar da Festa do Vinho na identidade da comunidade do concelho
• Bons resultados de gestão financeira apresentados como sinal de capacidade de recuperação da autarquia
• Linhas de ação estratégica para os próximos anos incluem educação, apoio aos seniores e ordenamento do território como fatores de desenvolvimento económico e social
• Vinho e mundo rural com papel central na promoção turística do território

O primeiro dia da Festa do Vinho do Cartaxo, 30 de abril, começou cedo para as dezenas de crianças e seniores que participaram no desfile etnográfico Da Uva ao Vinho, que abriu a Festa logo pela manhã e levou centenas de pessoas ao centro da cidade.

A inauguração oficial do certame teve lugar às 18h00, no Pavilhão Municipal de Exposições, onde as tasquinhas regionais e os produtores de vinho, estavam preparados para receber os muitos visitantes que o Cartaxo espera receber ao longo do fim de semana – a Festa decorre até ao próximo domingo, dia 3 de maio.

Presidente da Câmara, presidente e membros da Assembleia Municipal, vereadores, presidentes de junta de freguesia, representante da Entidade de Turismo do Alentejo e Ribatejo, secretário-geral da Associação de Municípios Portugueses do Vinho (AMPV), representantes de municípios que integram a AMPV, confrarias enófilas e gastronómicas,
representantes de casas agrícolas do concelho e muitos profissionais ligados ao setor, foram recebidos no Pavilhão Municipal de Exposições, pela Tuna da Universidade Sénior do Cartaxo que ofereceu um pequeno concerto, também ele evocativo da tradição local.

Presidente da Câmara inaugura Festa do vinho e presta contas sobre gestão do município
Pedro Magalhães Ribeiro destacou a identidade muito vincada da Festa do Vinho do Cartaxo “ponto de encontro de cartaxeiros desde a sua primeira edição”, em 1988. “O segredo da longevidade desta Festa, que celebra 27 anos, mais de um quarto de século, terá muito a ver com o saber aliar, num só certame, o melhor da nossa cultura popular, à excelência dos produtos que as nossas casas agrícolas oferecem, com vinhos reconhecidos e premiados no país e nos mais conceituados concursos internacionais”.

O autarca reconheceu o trabalho de cada uma das pessoas e entidades que ao longo de 27 anos, organizaram a Festa do Vinho, deixando um reconhecimento especial “a Renato Campos e Francisco Pereira, aqui presentes, presidentes da Câmara do Cartaxo que muito contribuíram para valorizar a cultura do vinho e do mundo rural, como parte integrante da nossa identidade”.

Pedro Magalhães Ribeiro descreve situação financeira da autarquia
A situação financeira da autarquia foi relatada pelo presidente de Câmara porque “é nosso dever prestar contas aos cidadãos. As decisões que tomamos serão também fundamentais para o futuro de eventos como este”.

Assumindo que partilhou, “com toda a transparência, as dificuldades, parece-me importante partilhar os resultados positivos que o esforço de toda a comunidade começa a obter e que permite, a todos, acreditar que seremos capazes de vencer as dificuldades”, explicando que “a dívida da Câmara não só parou de crescer, como diminuiu”, referindo-se ao facto de entre 2008 e 2013, a dívida ter crescido mais de 19 milhões de euros e em 2014, ter diminuído pela primeira vez em 6 anos.

A educação é uma das áreas estratégicas que o município vai privilegiar na aplicação de fundos comunitários. “O futuro precisa de contas consolidadas e de estabilidade, mas serão as pessoas a construir o Cartaxo, um concelho que queremos mais desenvolvido, e para o qual precisamos de maior qualificação das pessoas e de igualdade de oportunidades para todos, mas também de mais justiça e solidariedade entre gerações”, afirmou o autarca explicando que o Cartaxo tem, numa população inferior a 25 mil pessoas, duas mil e quinhentas analfabetas, e 17 mil apenas têm o ensino básico.

Os equipamentos para apoio social estarão no centro de outra das áreas estratégicas – o apoio aos idosos e mais desfavorecidos. “Apesar de sermos dos concelhos mais jovens do distrito, os dados mais recentes confirmam que temos uma taxa de crescimento natural negativa” afirmou, explicando que o Cartaxo segue a tendência nacional de a taxa de natalidade ser inferior à de mortalidade, “o apoio à população sénior será uma necessidade das famílias no futuro, mas também um dever de uma comunidade coesa e solidária”.

Plano Diretor Municipal estratégico para desenvolvimento económico
“Um concelho que alia raízes rurais profundas, à potencialidade de um território que oferece grande diversidade e riqueza produtiva”, mas também localização central e excelentes acessos, foram as razões que o autarca frisou para afirmar “temos um território extraordinário. Precisamos estabelecer parcerias, mobilizar os agentes privados de diferentes setores” – como o do turismo, que encara como “capaz de alavancar o desenvolvimento económico e gerar investimento”.

A autarquia propõe-se contribuir, “encontrando soluções para problemas de ordenamento que não se podem arrastar mais”, anunciando que a revisão do Plano Diretor Municipal, cujos “trabalhos se encontram adiantados depois de anos em que estiveram parados”, será discutida numa sessão pública, promovida pela autarquia e aberta a toda a comunidade, no próximo dia 12 de maio, porque “o crescimento do território precisa tanto do equilíbrio ambiental, como do desenvolvimento económico”.

A inauguração da Festa do Vinho contou ainda com a cerimónia de entrega dos Prémios Prestígio da AMPV, que destacou o enólogo Mário Louro, como Personalidade do Ano e como Entidade do Ano, a Associação das Rotas dos Vinhos de Portugal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *