O In. Santarém “Volta à Rua” esta semana com destaque para o Concerto de Leo Middea, no dia 22 de julho, às 21h00, no Convento de S. Francisco. O cantor e compositor carioca já rodou o mundo ao lado de seu violão e atualmente está radicado em Lisboa, capital portuguesa onde gravou o seu novo trabalho.

As doze faixas de VICENTINA carregam muitas histórias, viagens e sentimentos que já foram capazes de fazê-lo navegar por vários países, para apresentar o seu trabalho.

Com quase 4 milhões de execuções das suas músicas, somente na plataforma digital Spotify, Leo Middea segue rodopiando na ciranda ou mergulhado em silêncio, mas sempre fazendo-nos contemplar.

Tudo nele dança. Quem o vê em cima do palco, surpreende-se pela presença e pouca idade.

Antes do Concerto de Leo Middea, às 19h00, o DJ Nuno Luz que faz parte da equipa de DJs oficiais da Rádio Comercial, apresenta os seus sets, nos Claustros do Convento de S. Francisco.

Desde sempre ligado aos ambientes musicais, outrora em backstage, Nuno Luz de há uns anos para cá revelou-se também um profundo conhecedor das pistas de dança. O seu estilo é variado, passando essencialmente pelos êxitos comerciais seja Pop sejam Dance Music, tocando alguns temas também de anos 80. Chega, observa e lê o que o público quer ouvir.

Passou já por diversos locais nocturnos, como o Meo Spot, FDS Ericeira, festival do Crato, Meo Mares Vivas, Noite Branca de Braga, Noite Branca de Guimarães, Expofacic, Fatacil e foi residente no Hard Rock Café Lisboa, durante 3 anos.

No seu dia-a-dia, Nuno Luz é Programador da Rádio Comercial, pelo que também de dia a música faz parte da sua vida estando sempre a par dos hits comerciais do momento.

Dia 23 de julho, às 19h00, a Parada da Ex EPC – Escola Prática de Cavalaria recebe “Oyun”, El Fedito – um espetáculo único e inovador que combina humor, originalidade, ritmo e uma apurada técnica de malabares.

Fedito é o nome artístico e o nome da Companhia Federico Menini, artista de circo argentino, residente em Espanha.

El Fedito é um malabarista de ideias arquitetónicas inimagináveis e particulares.

Quem ou o que é a escultura? O malabarista ou o artefacto criado? O que é a estabilidade? Qual o limite? Estas perguntas conduzem à busca do mais difícil ainda, do equilíbrio perfeito, até à arquitetura dos malabares, a harmonia entre todos, potes, colheres, cordas, bolas.

Em ‘Oyun’ (do turco ‘jogo’) tudo gira em torno dos potes e outros elementos quotidianos, e, à medida que se vai construindo um artefacto em equilíbrio, o malabarista vai criando o espaço, desenhando o ar e, sobretudo, brincando e desafiando a gravidade.

Este espetáculo é resultado de anos de pesquisa e experimentação, com inspiração proveniente de diferentes disciplinas artísticas: escultura, desenho, poesia visual, fotografia, arquitetura, música, pintura, teatro, circo.

Às 21h00, os Claustros do Convento S. Francisco recebem Teatro de Rua – Affetto d’Amore, pela companhia Mr.Moustache, de Itália.

Mr. Mustache é um homem na casa dos trinta, alimentado por um único objetivo: encontrar o amor. Ele adorava ser um galã. Ao seu estilo desajeitado e um pouco vintage, fará um caminho árduo e inesperado para encontrar o seu amor na plateia. Uma aventura pelos caminhos inesperados do amor.

No sábado, dia 24 de julho, às 10h30, os Claustros do Convento S. Francisco acolhem a Peça de Teatro “Tejo por um Fio”, pela Companhia Aqui Há Gato.

O Rio está por um Fio? Porquê? Quem será o causador de todos estes danos? Um espetáculo delicado, de manipulação de objetos, que sensibiliza para a questão da poluição do Rio Tejo. Juntos iremos pensar em como proteger o que é mais precioso para a vida, a Água.

Esta atividade está integrada na Programação em Rede, uma iniciativa da CIMLT – Comunidade Intermunicipal da Lezíria do Tejo, em parceria com o Município de Santarém, através do projeto Santarém Cultura, e tem o apoio da União Europeia (Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional), Portugal 2020 e Alentejo 2020.

Às 21h00, o Convento S. Francisco recebe o Espetáculo de Circo “Sin Ojana” – Chicharrón – Circo Flamenco – Espanha.

Chicharrón, último elo de uma dinastia flamenga, traz uma carroça onde guarda o rock flamengo da família, onde mistura os ritmos flamengos com os malabares. “Sin Ojana” significa sem mentiras, sem hipocrisias.

Isso é o que Chicharrón traz consigo: uma canção à liberdade, uma homenagem ao flamengo, às mulheres e aos eventos da vida.

Uma mistura de arte, alternando entre o humor e o drama, que leva o público a olhar para a sua vida.

Devido às medidas de contingência do COVID-19 e de modo a prevenir os contágios, para além do uso obrigatório de máscara, da desinfeção das mãos à entrada e do dever de se respeitar o distanciamento social e os circuitos de circulação, a atribuição de lugar é feita por ordem de chegada.

Não é permitida a entrada de público após o início do espetáculo.

Colabore com o preenchimento do consentimento informado no local (traga a sua caneta), e no final do espetáculo permaneça sentado no seu lugar, e aguarde por indicações do pessoal que está a prestar apoio aos eventos.

A organização adverte que a programação pode sofrer alterações, devido às medidas de contingência do COVID-19.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *