Orquestra Metropolitana de Lisboa no Concerto de Ano Novo em Santarém

Santarém volta a promover o já habitual Concerto Solidário de Ano Novo, no dia 8 de janeiro, pelas 20h00, no CNEMA, este ano pela Orquestra Metropolitana de Lisboa (OML), dirigida pelo maestro Sebastian Perłowski.

Esta é a 5ª edição do Concerto de Ano Novo, que tem mantido sempre o cariz solidário de apoio as três Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) do concelho, para as quais reverte a totalidade da receita de bilheteira. Centro Social de AlcanhõesProjeto Agir + (LENE) e Associação r.INseRIR são as IPSS que este ano receberão o montante apurado.

Os bilhetes têm um custo de 10 € e estão à venda no Posto de Turismo, no Complexo Aquático, na União de Freguesias da Cidade de Santarém, nas Instituições Beneficiárias, na Associação Académica de Santarém, no W Shopping/Tabacaria Press News e na Rodoviária do Tejo. Poderão também ser adquiridos nas três IPSS que receberão o apoio.

A organização mantém-se conjunta por parte de Município de Santarém, Viver Santarém, Águas de Santarém, União de Freguesias da Cidade de Santarém, W Shopping, Rodoviária do Tejo, Associação Académica de Santarém, CNEMA e Escola Profissional Vale do Tejo.

Este “Concerto de Ano Novo: Valsas, Marchas, Polcas e Outros Sortilégios Musicais” pretende brindar-nos, segundo a própria OML, com “um precioso ramalhete de joias orquestrais que enfeitiçam. Mas quem já assistiu sabe bem que se trata de muito mais do que isso. O estonteio das valsas convoca purificações rituais que recuperaram sentido nas cambalhotas do tempo. A animosidade das marchas enaltece conquistas e conforta a inquietude das dificuldades. O ponteio das polcas expulsa maus agouros e vulnerabilidades, incentiva atitudes determinadas que conduzem à mudança. Os momentos de transição têm uma importância que nem sempre a matemática alcança, pois multiplicam-se nas bolsas da esperança e da vontade. Por isso, são assinalados em todo mundo com a aparente futilidade dos brindes, dos cumprimentos e das borbulhas do espumante. Celebramos, enterramos o passado – mas nem todo o passado, porque ao olharmos para trás caminhamos em frente, renovamos compromissos. Um dos compromissos que se propõe aqui celebrar é, precisamente, o da Música, cujo valor se calcula todos os dias na escuta de cada um de nós. Neste início de 2021, ela traz um sorriso. E há tantas formas de sorrir!”

Fundada em 1992, a Orquestra Metropolitana de Lisboa é um agrupamento de referência no panorama musical português. Composta por 37 músicos permanentes, numa configuração instrumental “clássica”, a sua formação de base é regularmente modulada e alargada, permitindo à Orquestra Metropolitana de Lisboa uma abordagem sistemática de praticamente todo o repertório orquestral, de finais do século XVII à contemporaneidade.

Sebastian Perłowski foi laureado com o 1.º Prémio nos concursos internacionais de Direção de Orquestra de Atlanta e de Córdoba, com o 2.º Prémio no Concurso Internacional para Jovens Maestros, em Lisboa, e no Concurso Internacional de Composição Krzysztof Komeda, com o 3.º Prémio no Concurso Internacional para Jovens Maestros, em Bucareste, com o Prémio Especial no Segundo Concurso Internacional de Direção de Música Chinesa, realizado em Hong Kong, e foi semi-finalista no Concurso Internacional de Direção de Orquestra Lovro von Matačić, em Zagrebe. Também foi distinguido pela crítica especializada, jornalistas e público como «Melhor Maestro da Ópera de Cracóvia dos Últimos Cinco Anos» e com o prestigiado Prémio de Direção do Festival de Salzburgo Nestle. Em 2017 foi nomeado Personalidade do Ano de Cracóvia, na categoria Cultura, assim como Personalidade da Região de Małopolska, na mesma categoria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *